Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

EB1 do Pinheiral

Este espaço vai servir para publicar alguns trabalhos feitos pelos alunos e divulgar atividades realizadas na EB1 do Pinheiral - Caldas das Taipas.

EB1 do Pinheiral

Este espaço vai servir para publicar alguns trabalhos feitos pelos alunos e divulgar atividades realizadas na EB1 do Pinheiral - Caldas das Taipas.

23 Fev, 2014

Tipos de solo

DSC04464.JPG

DSC04466.JPG

DSC04468.JPG

DSC04472.JPG

DSC04475.JPG

Depois da recolha de vários tipos de solo, fizemos a composição de uma amostra de um corte no solo onde podemos identificar as suas quatro camadas constituintes: manta morta, solo arável, subsolo e rocha-mãe.

O resultado foi interessante.

23 Fev, 2014

As sementes

cenouras.jpg

regar.jpg

semear.jpg

sementes.jpg

As sementes que nós semeamos chamam-se couve, abóbora, cenoura, salsa, feijão, e alface. São pequenas sementes, são sementes castanhas clarinhas. Nós temos que por as sementes ao sol e regar todos os dias. A Luana e a Catarina trouxeram sementes de cenoura, a Catarina também trouxe alface e o Martim A. trouxe sementes de feijão. Nós vamos semear as sementes e quando elas crescerem vamos por na horta. O recipiente tem vários espaços para meter as sementes. Eu gostei de meter sementes nos copinhos. Valéria e Catarina turma 1C

As sementes são pequenas e algumas são grandes. Os nomes das sementes são cenoura, tomate, alface, couve, pepino e feijão. Nós para as sementes crescer metemos terra, também metemos sementes. Quem trouxe as sementes foi a Luana, a Catarina e o José Nuno. Nós cuidamos muito bem delas. Nós metemos terra e passado um dia metemos as sementes. Maria João e Alexandra, turma 1C

Nós semeamos feijão couve, cenoura, salsa, abóbora e alface. As sementes são pequenas. Nós vamos tratar muito bem das sementes. Quem as trouxe foi a Catarina, a Beatriz e o Martim A. Nós cuidamos das sementes. O recipiente tem 44 buracos. Eu gostei das sementes. Bruna, turma 1C

Nós semeamos couves, salsa, feijão, cenoura, abóbora, alface e tomate. Toda a gente fez um. Os feijões são rosa. Um menino vai regar as sementes A Catarina trouxe cenoura. Joana, turma 1c

Nós semeamos feijão, couve, abóbora, cenoura e alface e ainda não semeamos pepino e tomate. As sementes são castanhas e pequeninas, mas algumas são grandes. Nós vamos semear as sementes e quando elas crescerem vamos pôr na horta. O recipiente tem vários espaços para meter as sementes. Eu gostei de semear. Beatriz Ribeiro, turma 1C.

O nome das sementes é cenoura, salsa, couve, feijão e abóbora. Elas são pequenas. O recipiente tem 40 buracos. Nós temos de regar bem as sementes. A Catarina trouxe as sementes de alface, cenoura e salsa. Nós vamos semear as sementes. Eu gostei de semear. Rodrigo José, turma 1C

As sementes da alface são pequenas. O feijão foi o Martim. O Tomate é vermelho. A Catarina trouxe sementes da salsa. Martim Abreu

Metamorfose do mosquito da dengue

 

Na fase de larva, o animal se alimentará bastante e poderá ficar nessa fase por dias, ou até mesmo meses, dependendo da espécie. As larvas do mosquito da dengue ficam submersas na água limpa e parada, e se alimentam de matéria orgânica contida no local onde estão. Podem ficar nesse estágio de dias a semanas, dependendo da oferta de alimento e da temperatura. Para essas larvas, quanto mais quente, mais rápido será o seu desenvolvimento. Depois da fase larval, a larva do mosquito da dengue passa à fase de pupa. No caso das borboletas, a fase de lagarta pode durar meses, ou até mesmo um ano. Nessa fase, as lagartas se alimentam das partes da planta onde elas estão. Comem durante todo o dia, e às vezes até mesmo durante a noite. Depois de alimentadas e crescidas, elas passam à fase de pupa.    


Na fase de pupa, o animal fica em repouso e não se alimenta. Essa fase pode durar de dias a meses, dependendo da espécie. É na fase de pupa que o mosquito da dengue evolui para a fase final da metamorfose, e se torna um mosquito. No mosquito da dengue essa transformação pode acontecer em dois ou três dias. Na fase de pupa, a borboleta também pode ser chamada de crisálida. Ela fica em um casulo como se estivesse enrolada em uma folha. A borboleta pode ficar nesse estágio de dias a meses, dependendo da espécie. O mosquito da dengue, após sair da fase de pupa, fica flutuando na água até que seu exoesqueleto endureça. O mosquito da dengue adulto pode viver de 30 a 35 dias. Nas borboletas, após a fase de pupa, o casulo se rompe, saindo dele uma borboleta adulta, o imago. Após sair do casulo, a borboleta aguarda algumas horas até que suas asas endureçam.    

 

Maria miguel 3º ano turma g5

16 Fev, 2014

O bicho-da-seda

Bicho-da-Seda

 

            O Bicho-da-seda (Bombyx mori L) é originário do norte da China e há aproximadamente 5.000 anos vem sendo criado para a obtenção do fio de seda. Trata-se da larva de uma mariposa pertencente à família Bombycidae e à ordem LepidópteraDepois da cópula das mariposas, a fêmea deposita cerca de 500 ovos, do ovo as lagartas eclodem, após um período de 7 a 21 dias.

            Quando nasce, o bicho-da-seda mede 2,5mm de comprimento, durante os primeiros 40 dias, come sem parar, passa pela metamorfose  (seus estágios são: ovo, lagarta ou larva, pupa ou crisálida e inseto adulto ou imago), tem seu peso aumentado aproximadamente 10.000 vezes e seu tamanho aumenta 70 vezes em relação ao tamanho original.

            O bicho-da-seda se alimenta das folhas da amoreira. É nesta fase que a larva começa a tecer seu casulo, feito com fios de muitos metros de comprimento. O fio de seda é secretado por uma glândula, chamada de glândula sericígena, localizada na parte inferior da boca da lagarta. A larva fia a seda ao redor do seu corpo fazendo movimentos geométricos em forma de número 8 até que todo o líquido que forma o fio termine, isto ocorre em torno de três dias, até lá, são secretados aproximadamente 1.000 metros dessa substância. Depois disso, num período de três semanas, nasce uma borboleta branca.

 

            Para se obter fios de seda é preciso mergulhar os casulos em água quente para amolecê-los e retirar deles uma espécie de goma que os faz ficar presos uns aos outros. Uma vez encontradas as pontas dos fios, os casulos são desenrolados calmamente e, depois disso, estes fios são enrolados numa roda formando uma meada. Este processo, em suma, consiste em desfazer todo o trabalho que a lagarta teve para formar o casulo.

            Posteriormente as meadas são lavadas em água quente, batidas e purificadas com determinados tipos de ácidos. Este processo é repetido diversas vezes, depois disso, a seda é secada em máquinas e as meadas são penteadas, a fim de se obter fios macios e de diâmetro bem parecido para posterior tecelagem. A tecelagem pode ser de seda pura ou pode-se misturar seda com outros tipos de fibras como algodão, por exemplo.

            O cultivo do bicho-da-seda traz benefícios à sociedade, não só pela fabricação e comercialização de diversos tipos de tecidos, como também pelo fato de proporcionar trabalho no campo com o cultivo da amoreira. O Brasil é, hoje, o terceiro maior produtor de seda.

 

Filipa, turma da prof. Deolinda

13 Fev, 2014

Tipos de solo

13 Fev, 2014

O Lobo Ibérico

O lobo-ibérico é um animal que está em vias de extinção. São uma subespécie do lobo-cinzento que ocorre na Península Ibérica. Outra muito abundante, sua população atual deve rondar os 2000 indivíduos, dos quais cerca de 300 habitam a região norte de Portugal.

Características

 

Os lobos-ibéricos machos medem entre 130 a 180 cm de comprimento, enquanto as fêmeas medem de 130 a 160 cm. A altura ao garrote pode chegar aos 70 cm. Os machos adultos pesam geralmente entre 30 a 40 kg e as fêmeas entre 25 a 35 kg. A pelagem é de coloração heterogênea, que vai do castanho amarelado ao acinzentado mesclado ao negro, particularmente sobre o dorso. Na parte anterior das patas dianteiras possuem uma característica faixa longitudinal negra.

 

Alimentação

 

Sua alimentação é muito variada, dependendo da existência ou não de presas selvagens e de vários tipos de pastoreio em cada região. A vida em alcateia permite ao lobo caçar animais bastante maiores que ele próprio. Ocasionalmente também matam e come cães e aproveita cadáveres que encontram, isto é, sempre que pode é necrófago.

 

Distribuição

 

Ainda no século XIX o lobo se distribuía por quase todo o território da Península Ibérica. Ao longo do século XX, a caça e a redução do habitat natural causaram sua extinção na maior parte desse território. Atualmente o lobo-ibérico está praticamente restrito ao quadrante noroeste da península. Situam-se a norte de Portugal e a noroeste de Espanha.

 

Beatriz – 3º H

13 Fev, 2014

ARARA AZUL GRANDE

Trabalho elaborado por: Lara Evangelista Silva Freitas

Nome popular: Arara Azul Grande Nome Científico: Anodorhynchus hyacinthinus Distribuição geográfica: Norte e Nordeste do Brasil. Vive nas matas do interior do Brasil: Maranhão, Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás. Hoje é raro encontrá-la em liberdade. Mas, no interior da Bahia, ainda podemos encontrar alguns espécimes em liberdade. Habitat natural: Florestas tropicais. Hábitos alimentares: É omnívora. Alimenta-se de sementes e frutas. Em cativeiro, é comum comer amendoim, girassol, milho verde e frutas. Tamanho: Até 1,10 metro. É a maior ave da família dos psitacídeos. Peso: Cerca de 500 g Período de gestação: O período de incubação dura 30 dias. Número de crias: Costumam nascer 2 crias de cada vez. São alimentadas pelos adultos, que regurgitam a comida. Elas chegam à idade adulta aos 6 meses. Tempo médio de vida: 30 anos. Estado de conservação da espécie: Esta espécie está em extinção, principalmente devido à destruição do seu habitat natural e à expansão humana para os territórios que antes eram “propriedade” das araras e que agora se “humanizaram”.